Notícias

Jan 10, 2015

Alta nos impostos

Alta impostos

 

O futuro ministro da Fazenda, Joaquim Levy, admitiu ontem a possibilidade de alta de impostos no conjunto de medidas necessárias para equilibrar as contas públicas, confirmando as previsões de aperto fiscal em 2015. Em entrevista à jornalista Miriam Leitão, no Bom Dia Brasil, ele falou ainda sobre a chance de aumento da Cide — o imposto sobre a gasolina —, zerada desde 2012.

Para Levy, conhecido pelo mercado financeiro como “mãos de tesoura”, quando ajustes são feitos de maneira firme e equilibrada a reação da economia é “muito rápida”. “Tem que olhar os diversos gastos que já foram feitos, estancar alguns, reduzir outros e, na medida do necessário, a gente pode considerar também algum ajuste de impostos sempre olhando a compatibilidade com o objetivo de aumentar nossa taxa de poupança”, explicou o futuro ministro.

Sobre a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), que poderá ajudar na arrecadação do governo, Levy disse que o aumento é uma possibilidade, mas não descartou outras ações: “Mais importante é a gente explicar o que estamos vendo, o diagnóstico, o porquê das medidas. Desde meados do ano passado, todas as pesquisas diziam que as pessoas queriam mudança. Parte dessas mudanças era essa reorientação da economia para trazer mais realidade, mais aderência ao que está acontecendo. E, na parte fiscal, um fortalecimento.”

Ao comentar a possibilidade de a equipe econômica atual jogar algumas despesas para 2015 para conseguir entregar algum superávit em 2014, Levy disse que a decisão é da presidenta Dilma Rousseff. “Se resolver pagar tudo a dívida aumenta. Se for feita alguma modulação significa que vou ter que acomodar algumas coisas.Não existe solução fácil”.

Sensação de otimismo

Quando perguntado sobre a perspectiva de inflação em alta em janeiro, Joaquim Levy lembrou que o primeiro mês do ano sempre tem inflação maior, em função das correções de preços. Mas garantiu que a situação vai melhorar. “A inflação vai entrar no devido momento em processo de queda. O Banco Central está vigilante e vai tomar as medidas adequadas”, avaliou.

Desde que Levy foi anunciado, o dólar disparou, fechando a R$ 2,70, em queda de 1,23%, após seis altas seguidas. Para o futuro ministro, a apreciação da moeda norte-americana é uma tendência agravada pela crise do petróleo, que provoca uma aversão ao risco no mundo.

Sobre a Petrobras, Levy se limitou a dizer que a capacidade de reação da estatal é forte “e ela vai saber, como qualquer companhia que enfrenta uma dificuldade, se ajustar”.

Fonte: O Dia Economia


Veja também:
ABRADT realiza sorteio em fanpage
Abr 20, 2015

ABRADT realiza sorteio em fanpage

ABRADT vai sortear na sexta-feira (24) cinco vagas para o "Comitê de Direito Tributário da ANCHAM | O ICMS e os desafios para o desenvolvimento", que será realizado no dia 28 de abril, em Belo Horizonte. Participe!
Clipping Tributário | 17 a 21/10
Out 27, 2016

Clipping Tributário | 17 a 21/10

Confira as principais notícias relacionadas ao Direito Tributário no país que foram divulgadas em nossas redes sociais.
Como se programar para aproveitar o Congresso Internacional de Direito Tributário
Ago 31, 2017

Como se programar para aproveitar o Congresso Internacional de Direito Tributário

    Se você está ligado nas movimentações para a realização do XXI Congresso Internacional de Direito Tributário da Abradt, sabe que a programação já foi divulgada, pode verificar aqui. Sabemos o potencial de um congresso desse porte tem para transmissão de conteúdo e troca de ideias entre os profissionais e pesquisadores do direito tributário, […]
Isenção ICMS
Dez 30, 2014

Isenção ICMS

Na sessão extraordinária do último dia 11, parlamentares derrubaram o Veto que prevê a proibição de cobrança de ICMS dos templos religiosos de qualquer culto em Mato Grosso.
Sacha Calmon lança mais dois livros
Nov 08, 2016

Sacha Calmon lança mais dois livros

O presidente honorário da ABRADT, professor Sacha Calmon, lançará dois livros na noite do dia 30 de novembro, às 19h30, sendo uma obra jurídica e outra sobre sociologia das religiões. Saiba mais!
Desonerações tributárias
Jan 28, 2015

Desonerações tributárias

O governo federal deixou de arrecadar, no ano passado, mais de R$ 100 bilhões devido às desonerações tributárias. A renúncia fiscal com desonerações somou R$ 104,043 bilhões em 2014.