Notícias

Jan 27, 2015

Consolidação de PIS/Cofins

A Receita Federal criou uma instrução normativa sobre incidência do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) específica para instituições financeiras e previdenciárias. A consolidação dessas normas estava anteriormente numa instrução normativa de 2002, que tratava da incidência desses tributos para diversas atividades econômicas. Segundo o Fisco, não houve mudança nas regras de PIS e Cofins.

Agora estão reunidas na Instrução Normativa 1.285, de 13 de agosto deste ano, as normas desses tributos para bancos comerciais; de investimentos: de desenvolvimento: sociedades de crédito; de financiamento; cooperativas de crédito; empresas de seguro privado e de capitalização; entidades abertas ou fechadas de previdência complementar privada; além de associações de poupança e empréstimos.

“O que a Receita fez foi extrair da IN [instrução normativa] anterior essas pessoas jurídicas. Ou seja, agora os bancos e instituições de previdência vão ter que ler a nova IN, e não mais a de 2002”, explicou Maria da Consolação Silva, chefe de divisão da coordenação de tributação da Receita. A Instrução Normativa nº 247 de 2002 consolidou todas as regras de PIS e Cofins vigentes na época.

Segundo Maria da Consolação Silva, não houve mudança nas normas de incidência de PIS/Cofins para essas empresas desde 2002. “A instrução normativa publicada hoje também não altera isso”, disse. “Como os bancos e instituições previdenciárias não têm direito a créditos de PIS e Cofins não-cumulativo, a alíquota deles é menor”, afirmou, ao destacar a manutenção das alíquotas em 0,65% e em 4% para PIS e Cofins, respectivamente.

A IN publicada no “Diário Oficial da União” desta terça-feira revoga tudo que trata de incidência desses tributos para instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central, Superintendência de Seguros Privados (Supep) e Superintendência de Previdência Complementar (Previc) que estava no texto de 2002; e transferiu essas normas para a nova instrução normativa, reforçou Maria da Conceição.

A Receita lembra ainda que a publicação de uma nova instrução normativa não tem relação com discussões judiciais sobre incidência de PIS e Cofins em empresas do setor bancário. “Isso não tem nada a ver com a IN”, afirmou ela, lembrando que a instrução normativa não altera regras.

Fonte: Valor Econômico


Veja também:
Impostos sobre riqueza
Dez 05, 2014

Impostos sobre riqueza

No Brasil, a simples menção a um aumento nos impostos é garantia de turbulência para o governo. No caso do tributo sobre grandes fortunas, previsto na Constituição Federal e jamais aplicado, o tema só foi lembrado nas eleições
Edital Prêmio Misabel Derzi
Ago 03, 2016

Edital Prêmio Misabel Derzi

Confira o edital para o "ABRADT - Jovem Tax Moot Court Competition - Prêmio Misabel Derzi". As inscrições vão até o dia 12 de agosto e a etapa oral será realizada no XX Congresso Internacional de Direito Tributário da ABRADT.
Direito Tributário em pauta
Abr 06, 2015

Direito Tributário em pauta

Direito Tributário será tema de um dos painéis da XV Conferência Estadual da OAB/MG: Sociedade e Advocacia, que será realizada na cidade mineira de Montes Claros, entre os dias 9 e 11 de abril.
Substituição Tributária
Jan 03, 2015

Substituição Tributária

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei Complementar 389/14, do Senado, que pretende desonerar as micros e pequenas empresas ao limitar o regime de substituição tributária para apenas certos setores.
Congresso de Direito Tributário OAB
Out 30, 2015

Congresso de Direito Tributário OAB

Será realizado essa semana, amanhã (05) e sexta-feira, o Congresso Internacional de Direito Tributário.
Seminário da ACMinas e ABRADT
Mai 05, 2015

Seminário da ACMinas e ABRADT

Associados das instituições realizadoras têm desconto na inscrição e pagam R$30 reais. Saiba mais e agende-se!