Notícias

Mar 27, 2015

Não é remuneração

ICMS

Planos de opção de compra de ações nos quais os trabalhadores não ganham descontos da empresa e adquirem os títulos por valor de mercado não são considerados remuneração, e sim um negócio civil. Assim, não incidem contribuições previdenciárias sobre os valores pagos pelo exercício da opção.

Esse foi o entendimento firmado pela 2ª Seção de Julgamento do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais ao dar provimento a recurso da Sadia e cancelar crédito tributário da Fazenda Nacional constituído sobre as compras de ações da empresa por seus executivos.

A Sadia interpôs o recurso após a Delegacia da Receita Federal considerar que os títulos adquiridos por funcionários da empresa entre 1º de outubro de 2006 e 31 de julho de 2008 sob o Plano de Opção de Compras de Ações eram fato gerador de contribuições previdenciárias.

De acordo com a Sadia, as opções de compra não são parte da remuneração, mas operações mercantis, uma vez que o valor das ações é obtido por uma média das cotações de três pregões na bolsa de valores anteriores à assinatura do termo de aquisição, sem nenhum benefício pela contraprestação dos serviços.

Em seu voto, o conselheiro Gustavo Vettorato, relator do caso, apontou que existem diversos tipos de planos de opção de compra de ações, e que, em vários deles, a empresa apenas disponibiliza seus papéis para os empregados adquirirem, sem qualquer incentivo.

“Ou seja, a empresa não participa com qualquer verba para que o interessado compre tais ações, apenas disponibiliza a sua compra fora das bolsas de valores, fato que poderia ser disponibilizado e realizado também em entidades de mercado de balcão (inclusive com preços diversos da bolsa de valores). Apresenta apenas uma oportunidade de investimento do colaborador na própria empresa, inclusive sendo dele o risco”, explicou Vettorato.

Citando o artigo Tratamento dos Planos de Stock Options Após o CPC 10, de Leonardo José Muniz de Almeida e Maurício Pereira Faro, o conselheiro afirmou que o programa da Sadia era um stock option clássico, ou seja, em que não há subsídio da empresa aos seus funcionários.

Para o relator, as aquisições dos títulos por executivos não são remuneração, visto que não estão atreladas à prestação de seus serviços, mas à cotação das ações no mercado. Além disso, ele destacou que o valor recebido na revenda dos papéis não é pago pela empresa, mas pelo terceiro comprador, configurando apenas negócio jurídico regulado pelo Direito Civil.

Vettorato também não aceitou o argumento da Fazenda de que as opções promoviam desigualdade dentro da empresa, uma vez que eram oferecidas somente a alguns funcionários do alto escalão. De acordo com ele, o plano é regulado pela Assembleia Geral, e estimula os demais empregados a alcançarem tais funções.

Para fortalecer seu argumento, o conselheiro mencionou precedente do Superior Tribunal de Justiça (Recurso Especial 1.185.685) que autoriza a concessão de benefícios diferentes aos trabalhadores, conforme o posto deles. Com isso, o relator votou pelo provimento ao Recurso Voluntário da Sadia e cancelou o crédito tributário da Fazenda Nacional por insubsistência. A maioria dos demais conselheiros acompanhou seu entendimento.

Precedente
Na opinião da advogada tributarista Thais de Barros Meira, do Barbosa, Müssnich & Aragão Advogados, a decisão do Carf “é um importante precedente, pois foram analisados diversos argumentos normalmente apresentados pelo Fisco para classificar todos os valores recebidos em conformidade com planos de opções de ações como remuneração”.

Ela ressaltou que o fato de as ações não serem subsidiadas pela Sadia foi a chave para o entendimento firmado pelo conselho: “A decisão é clara no sentido de que, desde que observados determinados requisitos, os valores objeto de stock option plans não seriam remuneração e, portanto, não estariam sujeitos à incidência de contribuições previdenciárias. Destacamos que o fato de os valores pagos pelos beneficiários observarem condições de mercado foi fundamental para o afastamento da incidência de contribuições previdenciárias sobre os valores recebidos”. Porém, Thais fez a ressalva de esse precedente não se aplica a planos nos quais as ações sejam ofertadas a valores inferiores aos de mercado.

Clique aqui para ler a decisão.
Recurso Voluntário 10.925.723207201149

 

Fonte: Conjur | Por Sérgio Rodas


Veja também:
IR 2015: cuidados ao preencher
Mar 02, 2015

IR 2015: cuidados ao preencher

Especialista fala sobre cuidados no preenchimento da declaração do Imposto de Renda e alerta - contribuintes devem estar atentos a detalhes para evitar erros.
Concurso de Contos JFMG
Jun 29, 2015

Concurso de Contos JFMG

A Justiça Federal de 1º Grau em Minas Gerais comemora, em 2015, os 125 anos de sua instalação e promove um concurso de contos de caráter histórico, para celebrar a primeira fase de sua existência. Inscrições até 7 de agosto.
Eduardo Maneira na revista INOVA
Fev 17, 2016

Eduardo Maneira na revista INOVA

O tributarista e diretor da Abradt Eduardo Maneira escreveu para a revista INOVA, publicação da Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais, artigo sobre o papel de Minas Gerais no debate tributário nacional.
Imunidade do ITBI
Dez 03, 2014

Imunidade do ITBI

Esse é um dos temas em que a jurisprudência consolidou de forma quase irreversível uma tese equivocada não distinguindo a imunidade pura, da imunidade condicionada que está expresso no texto constitucional.
Tributação Unificada
Dez 29, 2014

Tributação Unificada

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio rejeitou no último dia 10, o projeto de Lei 7020/13, que institui o RTU para a importação de mercadorias, via terrestre, procedentes da Venezuela.
Desvirtuação do Supersimples
Mar 06, 2015

Desvirtuação do Supersimples

Será que o Simples Nacional ou até a própria LC 123/06, que trata da Micro e Pequena Empresa, realmente atingiu o objetivo que se propunha quando criada?