Notícias

Fev 19, 2015

Parcelas Definidas

A Procuradoria-Geral da Fazenda publicou nessa quarta-feira (18/2) as regras para que empresas em recuperação judicial parcelem suas dívidas com o Fisco federal. A norma regulamenta a Lei 13.043/2014, que já havia permitido o parcelamento em até 84 meses para pessoas jurídicas nessa situação.

De acordo com a portaria, os interessados devem comprovar petição ou decisão judicial, apresentar no pedido o total dos débitos exigíveis em cada órgão e demonstrar a desistência de quaisquer recursos sobre as dívidas. Isso porque, a lei impede o benefício para quem tenha processos administrativos ou judiciais questionando valores cobrados pela Fazenda.

A Lei 13.043 tem origem em uma Medida Provisória e incrementa a Lei de Falências (11.101/2005). Até então, empresas dependiam da análise individual de juízes para conseguir parcelar seus débitos fiscais, de acordo com o advogado Paulo Fernando Campana Filho, do escritório Felsberg Advogados.

Ele considera positiva a regulamentação do tema, mas avalia que o prazo de 84 meses não é tão atraente quanto o chamado Refis da Crise, que oferecia até 180 meses para o pagamento. Campana Filho critica ainda a obrigação de que as empresas tenham de abrir mão das discussões pendentes.

O tributarista Eduardo Junqueira, sócio do escritório Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados, aponta ainda que o contribuinte pode não se interessar por outra regra, que exige o parcelamento do valor integral dos débitos, e não apenas uma parte. Outro problema, avalia, é que haverá rescisão do acordo se a Justiça rejeitar a recuperação judicial ou se houver falência da empresa durante o pagamento.

“Carnês”
As parcelas serão calculadas com base em percentuais mínimos, aplicados sobre o valor da dívida consolidada: começam com 0,666%, aumentam para 1% a partir do 13º mês e para 1,333% até o 83º. O saldo devedor deve ser quitado na última prestação.

A norma vale apenas para o Fisco federal, mas deve basear parcelamentos em âmbito estadual e municipal, segundo Campana Filho. “A dívida fiscal federal precede sobre a estadual. Se houver regra estadual estabelecendo prazo menor, cria-se uma linha argumentativa que pode ser explorada na Justiça”, afirma.

Clique aqui para ler a portaria da Fazenda.


Veja também:
Está aberto o período para submissão de artigos!! RAFDT N°4 / Ano 2
Set 03, 2018

Está aberto o período para submissão de artigos!! RAFDT N°4 / Ano 2

ATENÇÃO! A Revista ABRADT/FÓRUM De Direito Tributário – RAFDT abre chamada pública para o recebimento de artigos que poderão compor a edição de número 04, ano 02 da publicação. Os textos precisam ser inéditos e devem ser enviados até o dia 28 de setembro de 2018, exclusivamente através do e-mail revista@abradt.org.br. Para mais detalhes e […]
20 anos de Congresso: linha do tempo
Jul 25, 2016

20 anos de Congresso: linha do tempo

O Congresso Internacional de Direito Tributário da ABRADT chega à sua 20ª edição neste ano. Confira nossa retrospectiva de como foram essas duas décadas.
Alíquota da gasolina assusta
Fev 03, 2015

Alíquota da gasolina assusta

Reajuste nos postos de BH chega a R$ 0,35 e supera o valor estimado para o repasse da alta dos impostos sobre os combustíveis. Preço do álcool sobe sem justificativas.
Direito Tributário Internacional
Jul 16, 2015

Direito Tributário Internacional

A ABRADT realiza no dia 21 de agosto, em Belo Horizonte, o curso “Fundamentos da Tributação Internacional da Renda” com o especialista Alexandre Alkmim. Conheça o programa completo e inscreva-se!
Prejuízo Fiscal
Fev 26, 2015

Prejuízo Fiscal

Deve-se ficar atento ao fato de que se uma empresa tiver “Prejuízo Fiscal” e não aproveitá-lo, poderá ter recolhido valores indevidamente ou a maior.
Imposto de Importação
Dez 27, 2014

Imposto de Importação

4 matérias-primas industriais sem produção no Brasil pagarão menos imposto para entrar no país. A Câmara de Comércio Exterior reduziu temporariamente para 2% o Imposto de Importação sobre esses produtos