Notícias

Fev 19, 2015

Parcelas Definidas

A Procuradoria-Geral da Fazenda publicou nessa quarta-feira (18/2) as regras para que empresas em recuperação judicial parcelem suas dívidas com o Fisco federal. A norma regulamenta a Lei 13.043/2014, que já havia permitido o parcelamento em até 84 meses para pessoas jurídicas nessa situação.

De acordo com a portaria, os interessados devem comprovar petição ou decisão judicial, apresentar no pedido o total dos débitos exigíveis em cada órgão e demonstrar a desistência de quaisquer recursos sobre as dívidas. Isso porque, a lei impede o benefício para quem tenha processos administrativos ou judiciais questionando valores cobrados pela Fazenda.

A Lei 13.043 tem origem em uma Medida Provisória e incrementa a Lei de Falências (11.101/2005). Até então, empresas dependiam da análise individual de juízes para conseguir parcelar seus débitos fiscais, de acordo com o advogado Paulo Fernando Campana Filho, do escritório Felsberg Advogados.

Ele considera positiva a regulamentação do tema, mas avalia que o prazo de 84 meses não é tão atraente quanto o chamado Refis da Crise, que oferecia até 180 meses para o pagamento. Campana Filho critica ainda a obrigação de que as empresas tenham de abrir mão das discussões pendentes.

O tributarista Eduardo Junqueira, sócio do escritório Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados, aponta ainda que o contribuinte pode não se interessar por outra regra, que exige o parcelamento do valor integral dos débitos, e não apenas uma parte. Outro problema, avalia, é que haverá rescisão do acordo se a Justiça rejeitar a recuperação judicial ou se houver falência da empresa durante o pagamento.

“Carnês”
As parcelas serão calculadas com base em percentuais mínimos, aplicados sobre o valor da dívida consolidada: começam com 0,666%, aumentam para 1% a partir do 13º mês e para 1,333% até o 83º. O saldo devedor deve ser quitado na última prestação.

A norma vale apenas para o Fisco federal, mas deve basear parcelamentos em âmbito estadual e municipal, segundo Campana Filho. “A dívida fiscal federal precede sobre a estadual. Se houver regra estadual estabelecendo prazo menor, cria-se uma linha argumentativa que pode ser explorada na Justiça”, afirma.

Clique aqui para ler a portaria da Fazenda.


Veja também:
Igor Mauler será homenageado
Set 04, 2015

Igor Mauler será homenageado

Realizado de 1º a 3 de outubro em Teresina, Piauí, o I Congresso de Direito Tributário do Piauí tem como tema “Isonomia e Segurança Jurídica”, e pretende ser um espaço de discussão das questões tributárias.
Venha ser um associado!
Fev 04, 2016

Venha ser um associado!

Carta aberta do diretor da instituição, Eduardo Maneira, para os membros e possíveis associados da Associação Brasileira de Direito Tributário.
Mai 04, 2018

↘Da série: “eventos imperdíveis que a Abradt apoia”… No dia 15 de maio, a Federaminas, através do seu Conselho Estadual de Assuntos Tributários (Ceat), realizará o debate final de propostas para alteração da legislação que rege o contencioso administrativo de Minas Gerais. O evento será realizado no auditório térreo da Fiemg, das 14h às 17h. […]
Inscrições abertas
Ago 03, 2015

Inscrições abertas

As inscrições para o XIX Congresso Internacional de Direito Tributário da Abradt estão abertas. Conferira os valores das inscrições por modalidade e os prazos e acesse o site do evento: abradt.org.br/congresso2015.
ABRADT apoia evento da AMCHAM
Abr 02, 2015

ABRADT apoia evento da AMCHAM

Comitê de Direito Tributário da AMCHAM realiza evento com o tema "O ICMS e os desafios para o desenvolvimento" no dia 28 de abril, no Hotel San Francisco Flat, em Belo Horizonte.
Tributo a Alcides Jorge e Alberto Xavier
Set 26, 2016

Tributo a Alcides Jorge e Alberto Xavier

O diretor da Associação Brasileira de Direito Tributário (ABRADT) e diretor científico do XX Congresso Internacional de Direito Tributário, Igor Mauler Santiago, fez um belo tributo a Alcides Jorge e Alberto Xavier durante a cerimônia de abertura do evento. Confira na íntegra!