Notícias

Fev 19, 2015

Parcelas Definidas

A Procuradoria-Geral da Fazenda publicou nessa quarta-feira (18/2) as regras para que empresas em recuperação judicial parcelem suas dívidas com o Fisco federal. A norma regulamenta a Lei 13.043/2014, que já havia permitido o parcelamento em até 84 meses para pessoas jurídicas nessa situação.

De acordo com a portaria, os interessados devem comprovar petição ou decisão judicial, apresentar no pedido o total dos débitos exigíveis em cada órgão e demonstrar a desistência de quaisquer recursos sobre as dívidas. Isso porque, a lei impede o benefício para quem tenha processos administrativos ou judiciais questionando valores cobrados pela Fazenda.

A Lei 13.043 tem origem em uma Medida Provisória e incrementa a Lei de Falências (11.101/2005). Até então, empresas dependiam da análise individual de juízes para conseguir parcelar seus débitos fiscais, de acordo com o advogado Paulo Fernando Campana Filho, do escritório Felsberg Advogados.

Ele considera positiva a regulamentação do tema, mas avalia que o prazo de 84 meses não é tão atraente quanto o chamado Refis da Crise, que oferecia até 180 meses para o pagamento. Campana Filho critica ainda a obrigação de que as empresas tenham de abrir mão das discussões pendentes.

O tributarista Eduardo Junqueira, sócio do escritório Sacha Calmon – Misabel Derzi Consultores e Advogados, aponta ainda que o contribuinte pode não se interessar por outra regra, que exige o parcelamento do valor integral dos débitos, e não apenas uma parte. Outro problema, avalia, é que haverá rescisão do acordo se a Justiça rejeitar a recuperação judicial ou se houver falência da empresa durante o pagamento.

“Carnês”
As parcelas serão calculadas com base em percentuais mínimos, aplicados sobre o valor da dívida consolidada: começam com 0,666%, aumentam para 1% a partir do 13º mês e para 1,333% até o 83º. O saldo devedor deve ser quitado na última prestação.

A norma vale apenas para o Fisco federal, mas deve basear parcelamentos em âmbito estadual e municipal, segundo Campana Filho. “A dívida fiscal federal precede sobre a estadual. Se houver regra estadual estabelecendo prazo menor, cria-se uma linha argumentativa que pode ser explorada na Justiça”, afirma.

Clique aqui para ler a portaria da Fazenda.


Veja também:
Valter Lobato em evento do CC/MG
Jun 20, 2016

Valter Lobato em evento do CC/MG

O Diretor-Presidente da ABRADT, Valter de Souza Lobato, está entre os palestrantes do VI Seminário: Federalismo, Tributação e Contencioso Administrativo, que acontece no dia 27/06, em Belo Horizonte.
Receitas desvinculadas
Fev 11, 2015

Receitas desvinculadas

Contribuinte não tem direito a restituição de receitas desvinculadas. Esse foi o entendimento do STF ao negar provimento a Recurso Extraordinário contra a União.
Prescrição do FGTS
Nov 17, 2014

Prescrição do FGTS

O Plenário do STF modificou de 30 anos para cinco anos o prazo de prescrição aplicável à cobrança de valores não depositados no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)
Mai 04, 2018

↘Da série: “eventos imperdíveis que a Abradt apoia”… No dia 15 de maio, a Federaminas, através do seu Conselho Estadual de Assuntos Tributários (Ceat), realizará o debate final de propostas para alteração da legislação que rege o contencioso administrativo de Minas Gerais. O evento será realizado no auditório térreo da Fiemg, das 14h às 17h. […]
Congresso em Pernambuco
Jul 31, 2015

Congresso em Pernambuco

O XIV Congresso Internacional de Direito Tributário de Pernambuco, de 02 a 04 de setembro, no Recife terá como tema “Tributação: desafios e perspectivas em tempos de crise”.
Diretor da Abradt em série de eventos
Abr 20, 2016

Diretor da Abradt em série de eventos

O diretor da Abradt André Mendes Moreira participa de série de eventos no final do mês de abril.