Notícias

Set 13, 2014

Tema do Congresso: Tributação

Podemos, resumidamente, classificar os tributos como pagamentos feitos pela sociedade (pessoa física e jurídica) à entidades públicas em troca de serviços de todos os âmbitos, incluindo social. No Brasil, é quase impossível não saber o que é um tributo, já que o país, tem uma das mais pesadas cargas tributárias do mundo. Segundo um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), em 2013, o brasileiro gastou cerca de 40% da sua renda com impostos. Ao todo, foi preciso trabalhar 150 dias – de janeiro à maio – para quitar sua dívida com o estado. Empresas e pessoas do Brasil pagam mais de 60 impostos no país do carnaval. Entre eles, o ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação)  é o mais caro.

Mas, em sua essência, os impostos são necessários e cumprem uma importante função na sociedade. É com esse recurso que os estados conseguem renda para financiar diversos bens públicos. Entre eles saúde, educação e segurança. “Quanto maior é o estado, maior é a necessidade de se arrecadar recursos junto à sociedade. Quanto mais ineficiente for o setor público, tanto mais custoso será ao trabalhador manter a estrutura estatal”, esclarece Adolfo Sachsida, em um artigo sobre o assunto.

Do ponto de vista econônimo, o crescimento do estado depende da carga tributária, que é o total de tributos e impostos arrecadados divididos pelo PIB (Produto Interno Bruto), mas em contra partida, o aumento desses tributos gera menor renda para trabalhadores e empresas, e logo afeta o padrão de vida da sociedade. Toda vez que se cria um novo imposto, dedica-se uma renda, que antes era investida em outras coisas, para a quitação desse dever. Ou seja, ao contrário do que muita gente pensa, aumenta-se a arrecadação do estado, mas em mesma proporção retira de circulação um valor que movimentava a economia.

O tema é amplo e afeta diversos ramos da economia brasileira. E é por isso que esse é o primeiro assunto do XVIII Congresso Internacional de Direito Tributário. Durante o evento, além da ligação de tributação com o desenvolvimento econômico, vamos conversar sobre a influência dos tributos na desigualdade social, na macroeconomia brasileira e como os impostos afetam a livre concorrência.


Veja também:
20 anos de Congresso: linha do tempo
Jul 25, 2016

20 anos de Congresso: linha do tempo

O Congresso Internacional de Direito Tributário da ABRADT chega à sua 20ª edição neste ano. Confira nossa retrospectiva de como foram essas duas décadas.
ABRADT realiza sorteio em fanpage
Jun 11, 2015

ABRADT realiza sorteio em fanpage

ABRADT vai sortear no dia 18 de junho dois livros sobre Direito Tributário, entre os seus associados. As obras têm a coordenação da especialista em Direito Tributário, Misabel Abreu Machado Derzi. Participe!
XIX Congresso|Teses finalistas
Set 14, 2015

XIX Congresso|Teses finalistas

Foram divulgados esta última sexta-feira, 11, os três finalistas do Concurso de Apresentação de Teses do XIX Congresso Internacional de Direito Tributário da Abradt.
Programa de palestras Receita Informa
Abr 05, 2016

Programa de palestras Receita Informa

Programa de palestras realizado pela Abradt em parceria com a OAB/MG aborda a obrigatoriedade de protocolos de Impugnações, Manifestações de Inconformidade e Recursos para empresas com lucro real.
Está aberto o período para submissão de artigos!! RAFDT N°5 / Ano 3
Jan 14, 2019

Está aberto o período para submissão de artigos!! RAFDT N°5 / Ano 3

ATENÇÃO! A Revista ABRADT/FÓRUM De Direito Tributário – RAFDT abre chamada pública para o recebimento de artigos que poderão compor a edição de número 05, ano 03 da publicação. Os textos precisam ser inéditos e devem ser enviados até o dia 27 de fevereiro de 2019, exclusivamente através do e-mail revista@abradt.org.br. Para mais detalhes e […]
Receitas desvinculadas
Fev 11, 2015

Receitas desvinculadas

Contribuinte não tem direito a restituição de receitas desvinculadas. Esse foi o entendimento do STF ao negar provimento a Recurso Extraordinário contra a União.